Representações iconográficas da mulher desviante

O embruxamento como rede de signos subversivos

Autores

  • Valquiria Barros Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Palavras-chave:

Mulher. Embruxamento. Subalternização. Corpo. Identidade.

Resumo

O corpo feminino foi narrado ao longo dos séculos pelos valores morais religiosos no Ocidente como espaço do mal, contribuindo para o delineamento de um imaginário coletivo que associou a mulher ao demoníaco, legitimando a violência até os dias atuais. Nesse contexto, o objetivo deste artigo é identificar, na produção iconográfica difundida nas Idades Média e Moderna, simbolismos que ajuízam o embruxamento como reflexo da demonização do feminino e como ferramenta religiosa de subalternização da imagem da mulher. Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, de orientação interpretativa, baseada na Teoria do Imaginário de Gilbert Durand (1997). O corpus de análise é composto por xilogravuras, ilustrações e pinturas que apresentam símbolos discursivos como elementos sígnicos na composição do embruxamento feminino.

Biografia do Autor

Valquiria Barros, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Doutora em Humanidades Culturas e Artes, Unigranrio; Mestre em Educação, Gestão e Difusão de Ciência, IBqM, UFRJ; Mestre em Humanidades Culturas e Artes, Unigranrio; Pós-graduação em Economia, IE, UFRJ; Graduada em Ciências Sociais, ICS, UERJ; Graduada em Comunicação Social, ECO, UFRJ. Participante do Laboratório de Ética em Pesquisa, Comunicação Científica e Sociedade (LECCS), do Instituto de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis (IBqM), na área de Educação, Gestão e Difusão em Biociências, do Centro de Ciências das Saúde (CCS), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Referências

BAKHTIN, M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento. 8. ed. São Paulo: Hucitec, 2013.

BOUREAU, A. Satã herético: o nascimento da demonologia. Coleção: Estudos Medievais. Editora UNICAMP, 2016.

CAMPANELLI, P.; CAMPANELLI, D. Ancient ways: reclaiming pagan traditions. Woodbury: Llewellyn Worldwide, 2015.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 24. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

DELEUZE, G. Proust e os signos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

DELUMEAU, J. A história do medo no ocidente: 1300-1800 - uma cidade sitiada. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

DURAND, G. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. Lisboa: Ed. Presença, 1997.

ECO, U. História da feiura. Rio de Janeiro: Record, 2007.

FEDERICI, S. Mulheres e a caça às bruxas: da Idade Média aos dias atuais. São Paulo: Boitempo, 2019.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 2010.

GINZBURG, C. História noturna: decifrando o sabá. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

HOLLAND, T. Milênio: a construção da cristandade e o medo da chegada do ano 1000 na Europa. Rio de Janeiro: Record, 2014.

KRAMER, H.; SPRENGER, J. Malleus Maleficarum: o martelo das feiticeiras. Rio de Janeiro: BestBolso, 2015.

LANGER, J. Os gatos e a bruxaria nórdica. Notícias Asgardianas, n. 6, p. 10-13, 2014.

LANGER, J. A bruxa no medievo: origens e imaginário. Modulo 1 do curso "História da Bruxaria". UFPB, 2017. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/346830634/A-bruxa-no-medievo-origens-e-imaginario-pdf. Acesso em: 17 maio 2021.

LE BRETON, D. Antropologia do corpo. Petrópolis: Vozes, 2016.

MURARO, R. M. Breve introdução histórica. In: KRAMER, H.; SPRENGER, J. Malleus Maleficarum: o martelo das feiticeiras. Rio de Janeiro: BestBolso, 2015, p. 9-22.

NOGUEIRA, C. R. F. O nascimento da bruxaria. São Paulo: Imaginário, 1995.

PARADISO, S. R. Mulher, bruxas e a literatura inglesa: um caldeirão de contradiscurso. Revista Cesumar - Ciências Humanas e Sociais Aplicadas. v. 16, n. 1, p. 189-202, jan./jun. 2011.

RIBEIRO, S. M. Ser Eva e dever ser Maria: paradigmas do feminino no cristianismo. 2000, Coimbra. Anais. Coimbra: Editora da Universidade de Coimbra, 2000. p. 1-26. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/5357. Acesso em: 17 nov. 2020.

SENNETT, R. De carne e pedra. Rio de Janeiro: BestBolso, 2008.

WARBURG, A. Imagens da religião dos índios pueblos da América do Norte. Revista Concinnitas, Rio de Janeiro, v. 2, n. 8, p. 8-29, 2008. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/concinnitas/article/view/55315/0. Acesso em: 10 abr. 2024.

ZORDAN, P. B. M. B. G. Bruxas: figuras de poder. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, v. 13, n. 2, p. 331, 2005. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X200500020007. Acesso em: 20 abr. 2024.

Downloads

Publicado

2024-07-10

Como Citar

BARROS, V. Representações iconográficas da mulher desviante: O embruxamento como rede de signos subversivos. VEREDAS - Revista Interdisciplinar de Humanidades, [S. l.], v. 7, n. 13, p. 46-70, 2024. Disponível em: //periodicos.unisa.br/index.php/veredas/article/view/586. Acesso em: 20 jul. 2024.