Narrativa mítica Guarani Mbya

a anta e a tartaruga (Mbore ha’egue Karumbe)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.56242/revistaveredas;2023;6;12;86-111%20

Palavras-chave:

Narrativa, Guarani Mbya, Oralidade, memória e mito

Resumo

A narrativa “A anta e a tartaruga” está registrada no contexto da formação de material didático para a escola indígena. O enredo desenvolve-se por meio de um diálogo entre a natureza e a cultura em que os animais ganham representatividade expressiva do nhandereko (modo de ser) na cultura Guarani Mbya. A distância e os limites da vida animal em relação à vida humana descobrem-se por meio de um percurso próprio de ação e conhecimento fundamentados no desempenho cultural. Estruturando-se miticamente, o conto reúne experiências diversas em que se unem a narradora, os personagens, os ouvintes e os educadores no mesmo empenho de salvaguardar a memória por meio da oralidade como estratégia para educar as novas gerações.

Biografia do Autor

Marília Gomes Ghizzi Godoy, Universidade Santo Amaro

Mestra em Antropologia (USP) e Doutora em Psicologia Social (PUC/SP); Docente do Programa de Mestrado em Ciências Humanas da UNISA (área interdisciplinar).

Ida Carneiro Martins, Universidade Cidade de São Paulo

Mestra em Educação Física (UNICAMP) e Doutora em Educação; Docente do Programa de Pós-graduação em Educação (Mestrado/Doutorado) e do Mestrado Profissional em Formação de Gestores Educacionais da Universidade Cidade de São Paulo (UNICID).

Leonardo Felipe Gonçalves Duarte, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Mestre em Educação (UNICID).  Doutorando em Educação (FAED/UFMS). Graduando em Ciências Sociais (UFMS/CPNV).

Referências

BASEIO, Maria Auxiliadora Fontana Baseio & CUNHA, Maria Zilda da. Imaginário e Literatura em perspectiva interdisciplinar. In: Arte, Cultura e Imaginário. Organizadora: BASEIO, Maria Auxiliadora Fontana. São Paulo: Terceira Margem, 2016, p. 131-148.

BALDUS, H. Bibliografia Crítica da Etnologia Brasileira. Comissão do IV Centenário da Cidade de São Paulo. In: Revista de Antropologia, vol. 27/28, FFLCH/USP, São Paulo, 1984/1985, p. 7-24.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Os Guarani: índios do Sul. Religião, resistência e adaptação. In: Estudos Avançados, São Paulo, USP, set/dez, vol. 4, nº 10, 1990, p: 5390.

CADOGAN, Léon. Ayvru rapyta: textos míticos de los Mbyá-Guaraní del Guaira.Revista de Antropologia, São Paulo, FFLCH/USP, 1959, nº 5, p. 217.

CADOGAN, Léon. La Literatura de los Guaraníes. México-Editorial Joquin Mortiz, México, 1955.

CAMPOS, Alzira Lobo de Arruda; GODOY, Marília Gomes Ghizzi; SANTOS, Raimunda Maria Rodrigues Santos. Imaginário e representações míticas: as belas palavras (avy porã) dos cantos divinos (mborai) Guarani Mbya. In: Revista Espaço Ameríndio, v. 11, nº 2, p. 167-185, 2017.

CHAMORRO, Graciela. La buena palavra: experiencias y reflexiones religiosas de los grupos guaranies. In: Revista das Índias, vol. LXIV, nº 230, 2004, p. 117-140.

CHAMORRO, Graciela. Aspectos fundamentais da Religião Guarani. In: FLECK, Eliane Cristina Deckmann (org.), Religiões e religiosidade no Rio Grande do Sul, vol. 3, São Paulo: NPUH, 2014, p. 25-45.

CICCARONE, Celeste. Uma incursão teórica sobre o xamanismo e os motivos da paisagem cultural. In: Mosaico, Revista de Ciências Sociais, Ano 1, Volume 1, Número 1, 1998, pp. 91-104.

CICCARONE, Celeste. Drama e Sensibilidade: Migração, Xamanismo e Mulheres Mbya. IN: Revista de Índias, volume LXIV, nº 230, 2004, p: 81-96.

DOOLEY, Robert A. Vocabulário do Guarani. Vocabulário Básico do Guarani Contemporâneo (Dialeto Mbüá do Brasil) Summer Institute of Linguistics, Brasília, DF, 1982.

EDUCADORES GUARANI. Nhandereko nhemonbe’u tenonderã: Histórias para contar e sonhar. Secretaria Municipal de Educação São Paulo: SME/DOT, 2007.

GALLOIS, Dominique Tilkin. O movimento na cosmologia waiãpi: criação, expansão e transformação do universo. Tese de doutorado. São Paulo, FFLCH/USP, 1988 (datilografada).

GODOY, Marília Gomes Ghizzi. O misticismo Guarani Mbya na era do sofrimento e da imperfeição. São Paulo: Terceira Margem, 2003.

GODOY, Marília Gomes Ghizzi; FERREIRA, Edna. O universo cultural da criança guarani Mbya e a presença dos Centro Educacionais e Culturais Indígenas – CECIs – nas aldeias de São Paulo. In: Cadernos CERU/ Centro de Estudos Rurais e Urbanos, nº 1, (mar. 19687). São Paulo: CERU/USP, v. 25, nº 1, julho de 2014, p. 101-120.

MELIÁ, Bartomeu; SAUL, Marcos Vinicios de Almeida; MURARO, Valmir Francisco. O Guarani: uma bibliografia etnológica. Santo Angelo, Fundação Missioneira de Ensino Superior, 1987.

MELIÁ, Bartomeu; SAUL, Marcos Vinicios de Almeida; MURARO, Valmir Francisco. A experiência religiosa guarani. In: MELIÀ, Bartomeu et ali. O rosto índio de Deus, Coleção Ecologia e Libertação, Rio de Janeiro: Vozes, 1989, p. 293-357.

MELIÀ, Bartomeu et ali. Teko porã: formas do bom viver guarani, memória e futuro. In: Diálogos com os Guarani: articulando compreensões antropológicas e indígenas. Organização: Nádia Heusi Silveira, Clarissa Rocha de Melo, Suzana Cavalheiro de Jesus. Florianópolis: Editora da UFSC, 2016, p. 23-30.

SCHADEN, Egon. Aspectos fundamentais da cultura Guarani. São Paulo: Editora Pedagógica Universitária, EDUSP, 1974 (3ª edição).

TESTA, A. Palavra, sentido e memória. Educação e Escola nas lembranças dos Guarani Mbya. São Paulo, USP – Faculdade de Educação, 2007, (204 páginas). Não Publicada.

TEMPASS, Martin Cesar. O discurso Mbya-Guarani sobra as religiões dos brancos. In: Religiões e Religiosidades no Rio Grande do Sul: manifestações da religiosidade indígena. Organização: FLECK, Eliane Cristina Deckmann. São Paulo: ANPUH, 2014, p. 153-176.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Batalha. Bibliografia etnológica básica tupi guarani. Revista de Antropologia. São Paulo, USP, 1984-85, vol. 27-28, p. 7-24.

Fontes

BRASIL (Estado). Lei Diretrizes e Bases da Educação Nacional n° 9394/96 de 20 de dezembro de 1996. Definem que os sistemas de ensino, com a colaboração das agências federais de fomento à cultura e de assistência aos índios, desenvolverão programas integrados de ensino e pesquisa para a oferta de educação escolar bilíngue e intercultural aos povos indígenas, estabelecem objetivos e o apoio técnico e financeiro ao desenvolvimento de programas.

BRASIL (Estado). Resolução SE nº3/99, de 10 de novembro de 1999. Fixa Diretrizes Nacionais para o funcionamento das escolas indígenas, enfatizando o ensino intercultural e bilíngue, a valorização dos povos indígenas e a afirmação e manutenção da diversidade étnica. Orienta a organização da escola indígena, a formulação do projeto pedagógico e a formação de professores, definindo as esferas de competência dos sistemas e o regime de colaboração entre eles.

BRASIL. Constituição Federal do Brasil. Brasília, 1988. Disponível em: <http://www.senado.gov.br/legislacao/const/con1988/CON1988_06.06.2013/art_215_.shtm>. Acesso em 12 dez. 2014.

CENSO DEMOGRÁFICO 2010. Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

DECRETO n° 44.389, de 18 de fevereiro de 2004. Dispõe sobre a criação dos Centros de Educação e Cultura Indígena – CECI.

DECRETO n° 48.532/04, de 09 de maio de 2004. Estabelece diretrizes relativas à Política Estadual de Atenção aos Povos Indígenas, cria o Conselho Estadual dos Povos Indígenas e o Comitê Intersetorial de Assuntos Indígenas.

SÃO PAULO (Estado). Resolução SE nº 147/03, de 29 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a organização e o funcionamento das Escolas Indígenas no Sistema de Ensino do Estado de São Paulo.

Downloads

Publicado

2023-12-14

Como Citar

GOMES GHIZZI GODOY, M.; CARNEIRO MARTINS, I.; GONÇALVES DUARTE, L. F. . Narrativa mítica Guarani Mbya: a anta e a tartaruga (Mbore ha’egue Karumbe). VEREDAS - Revista Interdisciplinar de Humanidades, [S. l.], v. 6, n. 12, p. 86-111, 2023. DOI: 10.56242/revistaveredas;2023;6;12;86-111 . Disponível em: //periodicos.unisa.br/index.php/veredas/article/view/476. Acesso em: 28 fev. 2024.